Make your own free website on Tripod.com

Entrevista do Mês

Madonna

Você havia dito que, embora se visse fazendo muitas coisas em sua vida, escrever livros infantis nunca foi uma delas. Por que decidiu escrever esta série, e por que agora?
Madonna: Por duas razões. Eu tenho duas crianças agora e elas são uma grande fonte de inspiração. Encontrei meu caminho espiritual e aprendi muitas coisas. Entre elas, a importância de partilhar isso e o desejo de iluminar os outros. Crianças são naturalmente abertas e expansivas, então achei que deveria começar por elas a partilhar o que aprendi.

Você disse que este livro é sobre ciúme e inveja, e como essas emoções causam tanto sofrimento desnecessário em nossas vidas. Houve algo específico em sua experiência, quando adulta ou criança, que tornou esse tema especialmente relevante para você?
Madonna: Quando criança, eu senti inveja de outras garotas por várias razões. Tinha inveja por elas terem suas mães, por elas serem mais bonitas ou mais ricas. Só quando você cresce é que percebe quanto tempo perdeu nesses sentimentos. Agora, evidentemente, eu sinto o inverso. Seja com pessoas tendo inveja de mim e portanto sendo cruéis comigo, seja com garotinhas sentindo inveja da minha filha e se afastando dela.

Você disse que sua filha foi de grande ajuda no processo de criação do livro e ao lhe mostrar, quando estava terminado. Como assim?
Madonna: Ela se envolveu muito no processo criativo. Ela me dizia quando a história ficava chata. Ela pediu a garotas para lhe contarem suas coisas favoritas, e ela me ajudou a escolher os ilustradores.

Quais eram os seus livros favoritos quando criança?
Madonna: The Giving Tree (A árvore generosa); Charlotte's Web (A teia de Charlotte), Winnie the Pooh (O ursinho Puff), Alice no País das Maravilhas, The Chronicles of Narnia (As crônicas de Nárnia), The Secret Garden (O jardim secreto).

Existe um tema comum aos cinco livros?
Madonna: Cada um deles lida com temas que criam conflitos para todas as crianças: Incerteza, ciúme, inveja, superar obstáculos, aprender a não julgar as pessoas, o poder das suas palavras. Espero que haja uma lição em cada livro que ajude as crianças a transformar situações assustadoras ou dolorosas em experiências engrandecedoras.

Em 1992, você chocou o mundo com o livro de fotos Sex. Agora você entra no outro extremo do universo editorial. O que se passa na sua cabeça quando pensa no caminho que traçou de lá para cá? Como você mudou?
Madonna: A jornada que fiz entre Sex e agora foi muito vasta e complexa para defini-la em algumas frases. Mas posso dizer que hoje vejo o mundo e meu papel nele de forma diferente.

Você disse que a maioria das pessoas acredita que você fez sua carreira em cima de surpresas mas sem, como mencionou em entrevistas anteriores, "pensar profundamente sobre as conseqüências". O que mudou para fazê-la pensar nas conseqüências de seus atos?
Madonna: Ter filhos me levou a uma reação em cadeia de levantar questões e procurar respostas. Achei respostas quando comecei a estudar a Cabala há sete anos e meio. Percebi que havia, e continua a haver, uma reação no mundo a todas as minhas palavras e ações, boas ou más. Senti as implicações do carma pessoal e global.

Você atingiu o sucesso em tantas áreas diferentes: como mulher de negócios e artista na música, nos vídeos, no cinema, na televisão, nos shows e por aí em diante. Como escrever esses livros infantis foi diferente de sua experiência ao trabalhar num novo disco ou vídeo? E como a satisfação com os livros difere da que você alcançou nas outras áreas?
Madonna: Eu não estou fazendo dinheiro com esses livros, sabia desde que comecei a escrever que todo centavo que ganhasse seria usado para ajudar crianças. Então fiquei livre e pela primeira vez na vida minha criatividade não foi motivada por ego ou ganância.

Qual é a lição mais importante que as crianças de hoje precisam aprender sobre a vida, o amor e a busca da felicidade?
Madonna: A lição mais importante que as crianças precisam aprender é que estamos todos conectados uns aos outros no nível da alma e precisamos aprender a amar o próximo e cuidar dele, não importa o que for necessário! Que nossos pensamentos, palavras e ações realmente afetam aqueles próximos de nós. Que mudar o mundo começa com uma idéia. Que o amor realmente pode tudo.

(Fonte: Rocco)

 Arquivo - Veja outras Entrevistas

"Marilyn Manson : Drogas, censura, arte e América"

 

Voltar para Música